Ensino superior no Acre piora após quatro anos seguidos de avaliações do MEC; Deputado Moíses Diniz propõe Audiência Pública para discutir a questão

Ao divulgar a ponderação da qualidade no ensino superior público e privado do País no ano de 2010, o ministro da educação, Fernando Haddad, avaliou que no “cômputo geral” o ensino brasileiro estaria melhorando. Mas, no Acre, os números divulgados pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), nesta quinta-feira (17), apontam que ensino piorou após quatro anos seguidos de avaliações.
A Universidade Federal do Acre (Ufac) que durante 2007 (nota 2,60) e 2008 (nota 2,70) foi à melhor instituição de ensino superior do Estado, perdeu a posição nos últimos dois anos para uma entidade de aprendizagem via internet com registro em Acrelândia e sede em Brasília, a Faculdade AIEC, com nota 3,12, é a única no Acre localizada na faixa quatro de bom ensino do Índice Geral de Cursos (IGC) que vai de um a cinco.
Durante todos os anos de avaliações, a Ufac (nota 2,64 em 2010) não conseguiu evoluir e melhorar a nota que a mantêm na faixa três, como ensino satisfatório.
O Instituto de Ensino Superior do Acre (Iesacre/Uninorte) contribuiu para o pior retrocesso, a instituição, que por dois anos seguidos (2007 e 2008) foi à melhor no ensino privado, inclusive, ombreando com a Ufac na faixa três de satisfatório, despencou, em 2010, para nota 1,54 e agora tem ensino dois de insatisfatório, tal qual as outras duas que integram a Uninorte (Faculdade do Acre e Faculdade Barão do Rio Branco).
Também com ensino insatisfatório, a Faculdade da Amazônia Ocidental (FAAO), a Faculdade Diocesana São José (FADISI) e a Faculdade de Desenvolvimento Sustentável de Cruzeiro do Sul (IEVAL) também não conseguiram, em quatro anos, evoluir na qualidade ofertada e contribuem para que não exista uma única instituição de ensino superior privado e presencial com qualidade mínima em todo do Estado do Acre.
O deputado estadual Moíses Diniz (PCdoB), líder do governo do estado na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), afirma que o poder estadual tem apoiado o fortalecimento da Ufac e acredita que a nota da única instituição pública de ensino superior do Estado deveria ser melhor do que a apresentada.
Diniz afirmou à reportagem que convocaria uma Audiência Pública na Comissão de Educação da Aleac para que, conjuntamente, parlamentares, professores, estudantes e representantes das faculdades privadas e da Ufac debatam saídas que visem à melhoria no ensino superior público e privado no Estado.
O Ministério da Educação avaliou 2.176 instituições de ensino superior, sendo 229 públicas e 1.947 privadas, entre universidades, centros universitários e faculdades.

Fonte> ac24horas

CONVERSATION

0 comentários: