segunda-feira, 27 de junho de 2011

2º Conferência Nacional de Juventude ETAPA RIO BRANCO

A corrido para a realizaçãos das conferencias de Juventude em todo o Brasil, ja começou. Desta forma a capital do Acre não poderia ficar de fora. E assim convoca todos os jovens trabalhadores, desmpregados, estudantes, artistas e atletas a participarem e contribuir com a construção de Direitos e consolidação deste espaço de dialogo.

A 2º Conferência Nacional de Juventude terá à etapa municipal de Rio Branco nos dias 01 e 02 de junho no Cine Recreio, localizado na Gameleira.

Este momento e de grande importancia para juventude das diversas cidades e Estados, pois o Brasil vive um momento inedito com diversos avanços dentro das Politicas Publicas de Juventude, onde a menos de onze meses atraves da Emenda Constitucional 65º, o Brasil reconhece sua juventude como agente de Direito.


Durante o dia 01 e 02 de junho estará acontecendo a etapa municipal da conferencia Nacional de Juventude.

DESPACHO INUSITADO DE UM JUIZ EM UMA SENTENÇA JUDICIAL ENVOLVENDO 2 POBRES COITADOS QUE FURTARAM 2 MELANCIAS

DESPACHO POUCO COMUM

A Escola Nacional de Magistratura incluiu em seu banco de sentenças, o despacho pouco comum do juiz Rafael Gonçalves de Paula, da 3ª Vara Criminal da Comarca de Palmas, em Tocantins. A entidade considerou de bom senso a decisão de seu associado, mandando soltar Saul Rodrigues Rocha e Hagamenon Rodrigues Rocha, detidos sob acusação de furtarem duas melancias:


DESPACHO JUDICIAL...
DECISÃO PROFERIDA PELO JUIZ RAFAEL GONÇALVES DE PAULA
NOS AUTOS DO PROC Nº 124/03 - 3ª Vara Criminal da Comarca de Palmas/TO:


DECISÃO
Trata-se de auto de prisão em flagrante de Saul Rodrigues Rocha e Hagamenon Rodrigues Rocha, que foram detidos em virtude do suposto furto de duas (2) melancias. Instado a se manifestar, o Sr. Promotor de Justiça opinou pela manutenção dos indiciados na prisão.
Para conceder a liberdade aos indiciados, eu poderia invocar inúmeros fundamentos: os ensinamentos de Jesus Cristo, Buda e Ghandi, o Direito Natural, o princípio da insignificância ou bagatela, o princípio da intervenção mínima, os princípios do chamado Direito alternativo, o furto famélico, a injustiça da prisão de um lavrador e de um auxiliar de serviços gerais em contraposição à liberdade dos engravatados e dos políticos do mensalão deste governo, que sonegam milhões dos cofres públicos, o risco de se colocar os indiciados na Universidade do Crime (o sistema penitenciário nacional)...
Poderia sustentar que duas melancias não enriquecem nem empobrecem ninguém. Poderia aproveitar para fazer um discurso contra a situação econômica brasileira, que mantém 95% da população sobrevivendo com o mínimo necessário apesar da promessa deste presidente que muito fala, nada sabe e pouco faz.
Poderia brandir minha ira contra os neo-liberais, o consenso de Washington, a cartilha demagógica da esquerda, a utopia do socialismo, a colonização européia....

Poderia dizer que George Bush joga bilhões de dólares em bombas na cabeça dos iraquianos, enquanto bilhões de seres humanos passam fome pela Terra - e aí, cadê a Justiça nesse mundo?
Poderia mesmo admitir minha mediocridade por não saber argumentar diante de tamanha obviedade.
Tantas são as possibilidades que ousarei agir em total desprezo às normas técnicas: não vou apontar nenhum desses fundamentos como razão de decidir.
Simplesmente mandarei soltar os indiciados. Quem quiser que escolha o motivo.

Expeçam-se os alvarás.
Intimem-se.

Rafael Gonçalves de Paula

Juiz de Direito


segunda-feira, 20 de junho de 2011

PM de São Paulo mata mais que todas as polícias dos EUA juntas


Daia Oliver/R7
Daia Oliver/R7
Com uma população quase oito vezes menor que a dos Estados Unidos, o Estado de São Paulo registrou 6,3% mais mortes cometidas por policiais militares do que todo os EUA em cinco anos, levando em conta todas as forças policiais daquele país. Dados divulgados pela SSP (Secretaria de Segurança Pública), e analisados pela Ouvidoria da Polícia, revelam que 2.045 pessoas foram mortas no Estado de São Paulo pela Polícia Militar em confronto - casos que foram registrados como resistência seguida de morte - entre 2005 e 2009.

Já o último relatório divulgado pelo FBI (polícia federal americana) aponta que todas as forças policiais dos EUA mataram em confronto 1.915 pessoas em todo o país no mesmo período. As mortes são classificadas como justifiable homicide (homicídio justificável) e definidas pelo "assassinato de um criminoso por um policial no cumprimento do dever".
Relatório da Ouvidoria da Polícia de São Paulo aponta que mais de uma pessoa foi morta por dia em São Paulo por um Para Guaracy Mingardi, ex-subsecretário nacional de Segurança Pública e pesquisador do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a diferença no total de mortes do Estado e dos Estados Unidos se deve à própria cultura geral da sociedade brasileira, que tende a apoiar os assassinatos cometidos por policiais e prega que “bandido bom é bandido morto”.- Nós temos uma diferença. O júri americano tem uma tendência a inocentar [o acusado] porque ele desconfia do Estado. Aqui, apesar de o nosso Estado ser pior, o júri tende a condenar [o acusado] porque ele considera que, se a polícia pegou, é porque ele tem culpa no cartório.

Mingardi ressalta, porém, que a letalidade em São Paulo diminuiu, embora ainda esteja "fora do aceitável”. Segundo ele, o número de mortos pela Polícia Militar caiu especialmente depois do massacre de Carandiru, ação policial dentro do presídio na zona norte da capital paulista que terminou com 111 presos mortos em 1992. De acordo com o especialista, só naquele ano, foram registradas cerca de 1.400 mortes no Estado.

- Ninguém está advogando que aqui tem que ser como na Inglaterra, por exemplo, que a polícia mata duas, três pessoas por ano. Estamos falando em chegar num nível mais civilizado.

“Lógica de guerra”

Especialista em polícia do Instituto Sou da Paz, Carolina Ricardo afirma que existe uma diferença na própria história da Polícia Militar brasileira, que foi consolidada no período da ditadura e criada com o objetivo de defender o Estado de seus inimigos. Essa “lógica de guerra”, segundo Carolina, se mantém até os dias de hoje.
- Até hoje, a Polícia Militar é força auxiliar do Exército. Ou seja, se tiver uma guerra, a PM pode ser acionada. Ao mesmo tempo, ela tem que estar na rua e 99% do que ela faz não é atender crime, mas lidar com conflitos cotidianos, coisas banais.

Carolina ressalta, no entanto, que a polícia vem mudando ao longo dos últimos anos graças ao discurso de direitos humanos. O processo, no entanto, é lento.

- Ainda falta muito, ainda é uma polícia formada para combater o crime numa lógica mais dura. A gente precisa entender que a polícia está se reinventando. Aos poucos, consegue trabalhar em parceria com a sociedade civil.


Mortes x prisõesPara o professor de direito da FGV (Fundação Getulio Vargas) Theodomiro Dias Neto, houve um avanço, mas ainda tímido, no combate à letalidade policial nos últimos anos. Ele compara os números atuais com os da década de 90, quando havia uma média de quatro mortos por policiais por dia no Estado de São Paulo, e afirma que os últimos dez anos ficaram “entre avanços e retrocessos”.- O número de pessoas mortas certamente não tem nada a ver com eficiência da polícia. Uma polícia eficiente é aquela que faz um trabalho correto na prevenção do crime, com o menor número de mortos e feridos possível. Quanto menor a proporção entre detenções realizadas e mortos, melhor.O relatório Força Letal - Violência Policial e Segurança Pública no Rio de Janeiro e em São Paulo -, lançado em dezembro de 2009 pela ONG internacional Human Rights Watch, aponta que a polícia do Estado de São Paulo prendeu 348 pessoas para cada morte em 2008. Já a polícia norte-americana prendeu mais de 37.000 pessoas para cada morte em suposto confronto no mesmo ano. O índice de prisões por mortes cometidas pela polícia é 108 vezes menor em São Paulo do que nos Estados Unidos.

Segundo Neto, a eficácia da polícia americana comparada à paulista se dá, entre outros motivos, porque ela é “mais bem controlada”.

- É uma polícia que mata menos e prende mais.

Outro lado

A reportagem do R7 entrou em contato com as assessoria da Polícia Militar, mas até a publicação desta notícia, a corporação não havia se pronunciado sobre os dados apresentados nesta notícia.

20110606-grafico-mortos-por-PMs-700x534

domingo, 19 de junho de 2011

Carta aberta da ENESSO a tod@s os/as estudantes de Serviço Social do Brasil

No último dia 12 de maio de 2011, as entidades representativas do Serviço Social lançaram a campanha nacional e defesa do trabalho e da formação com qualidade com o slogan “Educação não é fast food: diga não a graduação à distância em Serviço Social”. Essa campanha tem o objetivo de denunciar e se contrapor a essa modalidade de ensino que precariza, mercantiliza e descaracteriza a educação superior brasileira, transformando o direito a educação em serviço, e um serviço desqualificado.
Sendo assim, a ENESSO vem publicizar seu posicionamento, juntamente com as entidades da categoria a favor da campanha e em defesa de uma formação com qualidade.
Após as reformas do governo no âmbito da educação, são muitas as incoerências e as incongruências na oferta, ampliação e uma falsa democratização do ensino, uma vez que, o discurso que é propagado remete a uma estratégia do governo de fazer com que esse acesso aconteça, no entanto, não considerando a forma como isso se processa e o discurso da ampliação do acesso ao ensino superior.
Em decorrência desse método de ampliação sem qualidade e sem responsabilidade, temos um cenário que coloca na ordem do dia uma construção ideológica em torno do sonho do diploma de concluinte do ensino superior, do sonho de assistente social que os barões da educação – aqueles que fazem questão de mercantilizar esse direito – insistem em usar como propaganda para ludribiar e enganar diversos sujeitos que constantemente são vitimizados pela lógica desse sistema.
Dessa forma criam-se as chamadas “oportunidades”, segundo o pensamento burguês mercadológico, usando os artifícios mais sujos e desrespeitosos possíveis para impor um interesse particular de um grupo que não se preocupa nem de longe com a formação de qualidade e sim com o lucro, quais sejam os artifícios, o desrespeito regional, a oferta de um serviço precário, os vínculos empregatícios dos docentes a partir de contratos fragilizados e, sobretudo, o descaso para com a subjetividade de tantos sujeitos que entram nesse jogo desrespeitoso.
Essa campanha é provocativa, direta e tem o objetivo de mostrar que competência para legislar e discutir o que serve ou não, o que é certo ou não, o que responde as demandas ou não, enfim, pra debater matéria de Serviço Social no Brasil cabe ao conjunto CFESS/CRESS, ABEPSS e ENESSO.
Logo, nossa intenção com a campanha é dialogar com a sociedade, com a categoria, com os estudantes EAD e presencial sobre essa realidade, não agindo com preconceito ou, indivíduos, mas enfrentando politicamente essa lógica mercantil com vistas a unirmos força contra essa modalidade de ensino que não contempla a formação em Serviço Social segundo as nossas diretrizes curriculares e o nosso Projeto Ético Político.
“Educação não é fast food: diga não a graduação à distância em Serviço Social”
Por uma educação pública, laica, gratuita, de qualidade, socialmente referenciada e presencial para todos!

Pesquisa aponta que 76% dos jovens acreditam que o Brasil está mudando para melhor

Qual é o grande sonho dos jovens de hoje? O que eles querem da vida? O que esperam do futuro do país? Uma grande pesquisa trouxe as respostas.

Qual é o seu sonho? 2,9 mil jovens, entre 18 e 24 anos, responderam essa pergunta nos últimos meses. Eles participaram de uma pesquisa feita em 173 cidades de 23 estados do Brasil. A pesquisa se chama "Sonho Brasileiro".

“Estudar a juventude é conhecer a sociedade e poder pensar na sociedade e de pensar, inclusive, nos seus rumos”, afirma a antropóloga Regina Novaes.

Nos anos 50 e 60, o objetivo dos jovens era acabar com a caretice do mundo. Eles queriam mais liberdade. Nos anos 70, o inimigo era a ditadura. A meta: fazer a revolução. Nos anos 80 e 90, o sonho ficou mais individualista: carreira, dinheiro, sucesso. E o que quer para o futuro o jovem de hoje?

Segundo a pesquisa, o jovem de hoje não é individualista. Ele quer sim melhorar e transformar o mundo em que vivemos. Acontece que ele quer fazer isso sem deixar de ganhar o seu próprio dinheiro, sem abrir mão de ter sua independência financeira. Então, o ideal para o jovem de hoje é conciliar trabalho e transformação social.

Alguns já fazem isso. Segundo a pesquisa 8% dos jovens são transformadores. Gente que ganha o sustento transformando o mundo para melhor. Como você imaginaria o fundador de um banco? “É o nosso banco. Pode ver que não tem, graças a deus, nenhuma porta giratória”, conta Thiago Vinicius, de 22 anos.

O banco trabalha com um dinheiro que parece de mentira: o Sampaio, uma moeda paralela que circula na comunidade do bairro de Campo Limpo, na Zona Sul de São Paulo. “Para pessoa física, para população, eles emprestam sem juros para consumo de mercadorias.

A dona de uma barraca de madeira pegou um empréstimo e fez uma reforma. Hoje, ela vende os temperos na barraca reformada e aceita o Sampaio como moeda de troca, normalmente. “É como dinheiro. E depois que a barraca foi reformada vem muito mais gente. Eles falam: ‘como mudou’”, conta a dona da barraca.

“Aos 40 anos de idade eu vou estar na comunidade vivendo com prazer e qualidade de vida, isso que a gente vem buscando”, diz Thiago.

A pesquisa aponta que 77% dos jovens acreditam que seu bem-estar depende do bem-estar da sociedade onde vivem. Aos treze anos, João Felipe disparou e-mails para organizações de todo o planeta falando: “‘meu nome é João, tenho 13 anos e eu quero mudar o mundo, me ajuda’. Só cinco pessoas responderam. E dessas cinco, quase todas falavam mais ou menos a mesma coisa: ‘você é muito novo pra fazer a diferença’”.

João começou a conectar jovens com ideias boas e jovens com boas intenções. “Quando eu percebi, eu já tava vivendo 100% do tempo fazendo isso e era isso que me fazia feliz e acabou virando minha profissão”, conta.

Hoje, aos 25, ele trabalha na ONU e já ajudou a mudar o mundo em 41 países. Usa e ensina um método que ele próprio inventou. Uma espécie de jogo para estimular mudanças. “A gente tem sete dias pra mobilizar essa comunidade e pra tentar descobrir qual é o sonho da comunidade e construir esse sonho”, explica João.

Recentemente, colocou o plano em ação em sua cidade natal, Santos, no litoral paulista. “Esse espaço era um lixão, era um matagal e a gente fez um trabalho pra comunidade receber um centro comunitário”, conta.

A pesquisa mostra também que 74% dos jovens disseram estar preocupados em fazer algo pelo coletivo no dia a dia. Um belo dia, Bruna mudou de emprego. “Eu fazia um trabalho legal, eu cresci bastante, aprendi um monte de coisa, mas ali era muito focado na indústria, no que eles faziam, no consumo”, diz Bruna.

Saiu da multinacional e ajudou a criar um site de consumo colaborativo, onde se cadastram coisas que podem ser recicladas, trocadas ou alugadas. “As pessoas podem utilizar o mesmo produto várias vezes, um mesmo produto por várias pessoas, evitando um consumo exagerado de uma coisa que vai ficar parada na sua casa”, afirma.

“Nós nunca tivemos tantos jovens que tenham disposição de olhar mais em torno de si do que no momento atual. Os pessimistas não vão acreditar nisso nunca, mas é isso que as pesquisas têm mostrado”, completa a antropóloga.

Segundo a pesquisa, 76% acreditam que o Brasil está mudando para melhor.
fonte: fantastico

quinta-feira, 16 de junho de 2011

O Encontro Nacional de Estudantes de Serviço Social (ENESS)


O Encontro Nacional de Estudantes de Serviço Social (ENESS) é o fórum máximo de deliberação dos estudantes de Serviço Social e, constitui espaço privilegiado de organização do Movimento Estudantil de Serviço Social (MESS). Ao longo do encontro são discutidos temas relacionados à conjuntura, formação profissional, movimentos sociais, universidade e cultura e outros temas relevantes ao Serviço Social, previamente definidos no Conselho Nacional de Entidades Estudantis de Serviço Social (CONESS), que ocorrerou na Universidade Federal do Maranhão - UFMA em Abril de 2011. Neste encontro delibera-se sobre o movimento e a organização política dos Estudantes de Serviço Social no país.
No XXXII ENESS, ocorrido entre os dias 18 a 24 de julho de 2010, na Universidade Federal do Piaui (UFPI), com o tema “Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres.”, foi deliberado pelos estudantes de Serviço Social e suas respectivas escolas, que o XXXIII ENESS seria realizado na Região VII, tendo como escola sede a Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" no campus de Franca. A escolha desta Unidade de Formação Acadêmica-UFA justifica-se pelo fato de já se fazer 10 anos que nenhum ENESS ocorre em nossa Região, destacando-se então o quão é importante para potencializar a discussão político-estudantil no Sudeste do País, reconhecendo suas particularidades, buscando unificar a luta do movimento estudantil de Serviço Social por um ensino de qualidade e defesa de uma sociedade mais justa.
O encontro será construído coletivamente pelos estudantes e pelos centros acadêmicos de Serviço Social do estado de São Paulo: UNESP, UNIFESP, Unicastelo, PUC-SP, UNINOVE, CEUNSP e FAMA. O conjunto de escolas irão trabalhar juntas na realização do XXXIII ENESS, que conta com a expectativa de mil e quinhentos estudantes de Serviço Social de todo o país.
Portanto, é dentro de um papel político, que fomentaremos as discussões nos espaços que estivermos, não no intuito de esclarecer, mas de multiplicar esse movimento de refletir sobre quem somos e para onde caminhamos dentro e fora da universidade, enquanto sujeitos éticos e políticos.
Então, é com imenso prazer que faremos parte da história dos movimentos estudantis, principalmente os relativos ao Serviço Social, que tem se constituído como um espaço de formação política, contribuindo para a consciência crítica, ao mesmo tempo em que dialeticamente, tendemos ao aprimoramento da formação profissional

Vamos mobilizar #MarchadaLiberdade


Vamos TOD@S mobilizar para #MarchadaLiberdade

Os diversos movimentos, partidos, grupos e tribos estão mobilizando para o próximo sábado dia 18 de junho as 9:00h para iniciarmos a concentração em frente ao Sebrae centro para juntos organizamos a verdadeira da liberdade.

Vamos exercer e lutar pelo nosso direito de liberdade de ideias, credo, orientação sexual, opção de vida.
VIVA A LIBERDADE

Parodia: Oração para salvar a faculdade

MARCHA PELA LIBERDADE DE EXPRESSÃO E DIREITOS HUMANOS

CONVOCATÓRIA ----->>>>> (sábado) dia 18/06 - 9h- Sebrae - Centro

Não somos uma organização. Não somos um partido. Não somos virtuais.Somos uma rede. Somos REAIS. Conectados, abertos, interdependentes, transversais, digitais e de carne e osso. Não temos cartilhas. Não temos armas, nem ódio. Não respondemos à autoridades reacionárias. Respondemos aos nossos sonhos, nossas consciências e corações.Temos poucas certezas. E uma crença: de que a liberdade é uma obra em eterna construção. E que a liberdade de expressão é o chão onde todas as outras liberdades serão erguidas: De credo, de assembléia, de amor, de posições políticas, de expressão cultural, de orientações sexuais, de cognição, de ir e vir... e de resistir.E é por isso que convocamos qualquer um que tenha uma razão para marchar, que se junte a nós para a primeira
#Marcha da Liberdade de Expressão e Direitos HumanosEstudantes e professores...marchem pela qualidade da educação, Ambientalistas....Gritem pelas florestas, Artistas de rua...tragam instrumentos, Vegetarianos...falem em nome dos animais, Gays...tragam sua bandeira do arco-íris, Devotos de crenças diversas...compartilhem seus ideais, Filósofos dividam seus pensamentos.Venham todos, a pé, de bicicleta, de skate, patins, perna de pau...como quiserem. Somos todos cadeirantes, pedestres, motoristas, estudantes, trabalhadores! Somos todos idosos, negros, travestis, indígenas, seringueiros, ... Somos todos nordestinos,nortistas,brasileiros, bolivianos, peruanos, acreanos, cidadãos e....somos livres!Em casa, somos poucos.Juntos, somos todos. E essa cidade é nossa!Sábado, dia 18 de junho, 9hs, em frente ao SEBRAE, começa a 1ª Marcha da Liberdade de Expressão e Direitos Humanos
"...Liberdade, essa palavra que o sonho humano alimenta que não há ninguém que explique e ninguém que não entenda..."Cecília Meireles

(Romanceiro da Inconfidência)







































segunda-feira, 13 de junho de 2011

Novo kit anti-homofobia deve sair neste ano, diz ministro Haddad

O kit do Ministério da Educação para combater a homofobia nas escolas foi suspenso na última quarta-feria pela presidente Dilma Rousseff por, segundo ela, fazer “propaganda de opção sexual”. Por isso, o material terá de ser readequado.

Segundo Haddad, isso será realizado sem custos adicionais ao governo. Para readequar o kit, o MEC vai envolver técnicos e professores para analisar e sugerir mudanças nos vídeos antes deles serem encaminhados para a Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência da República) – órgão que passará a dar o aval para todas as publicações do governo que envolvam costumes e valores, segundo determinação da presidente Dilma.

Kit não ensina a ser homossexual

Para o presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), Toni Reis, "é mentira que (o kit) ensina a ser homossexual". Ao dizer que os vídeos têm por objetivo "promover o respeito à diversidade", Reis citou o deputado Jair Bolssonaro (PP-RJ), que distribuiu um panfleto em que afirma que "o MEC incentiva o homossexualismo nas escolas públicas".



O presidente da associação afirmou que o ministro e pelo menos dez parlamentares que elogiaram o material rejeitado pela presidente Dilma. "O kit passou por diversas fases de aprovação", disse.




Três supostos vídeos estão disponíveis na internet: Encontrando Bianca (fala sobre transexualidade), Torpedo (relação entre duas meninas lésbicas) e Probabilidade (trata da bissexualidade), no entanto, após reunião com parlamentares da bancada evangélica e católica da Câmara dos Deputados, o ministro Fernando Haddad negou que o material em circulação conhecido como "kit gay" seja oficial do MEC.



Segundo o ministro, a determinação do governo de suspender o kit não é um "recuo" na política de educacional contrária à homofobia. "Não se trata de recuo. Se trata de um processo de consulta que o governo passará a fazer, como faz em outros temas também, porque isso é parte vigente da democracia", disse.

"A presidenta vai fazer um diálogo com os ministros para que a gente tome todos os devidos cuidados. Em qualquer área do governo estamos demandando que qualquer material editado passe por um crivo de debate e de discussão e da coordenação da Presidência."

Fonte: vermelho.org

Para marcar este 12 de junho a história de amor mais cantada do Brasil virou filme. Em parceria com a produtora 02 Filmes, do diretor Fernando Meirelles (Cidade de Deus" e Ensaio sobre a Cegueira), uma empresa de telefonia celular prestou uma homenagem a Eduardo e Mônica, clássico da Legião Urbana lançado há 25 anos. No vídeo, divulgado na terça-feira (7), a companhia recria os passos do casal que deu certo apesar das diferenças.


A homenagem, revelada aos poucos, chegou a ser anunciada por sites e blogs como a produção de um longa metragem inspirado na canção. A O2 Filmes, no entanto, diz nunca ter divulgado a campanha como se fosse um longa.

A confusão se deu em meio à produção do filme Faroeste Caboclo, longa metragem inspirado em outra das músicas mais famosas de Renato Russo.
fonte: vermelho

sábado, 11 de junho de 2011

2° Conferencia Nacional de Juventude

comissão também encaminha proposta da temática do evento, que deve ser o Plano Nacional e o Estatuto da Juventude.
A primeira reunião da Comissão Nacional Organizadora (CON) da II Conferência Nacional de Juventude foi marcada pela assinatura da portaria do Regimento Interno da Conferência pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto de Carvalho. Em visita breve, o Ministro aproveitou para saldar e agradecer os participantes da Comissão pelo compromisso assumido com o processo da Conferência. O Documento foi publicado na última quinta-feira (5) no Diário Oficial da União.

A Comissão, composta por 15 membros da sociedade civil do Conselho Nacional de Juventude (Conjuve) e 18 membros do poder público. O encontro foi dirigido pela coordenadora geral da Conferência, Ângela Guimarães, e teve como primeiro ponto de pauta o debate sobre a temática da Conferência. A proposta é que a discussão gire em torno da aprovação do Plano Nacional e do Estatuto da Juventude, marcos legais em tramitação no Congresso.

Segundo o deputado federal Reginaldo Lopes, que participa da Comissão pela Frente Parlamentar da Juventude da Câmara Federal, mesmo que o Plano seja aprovado pela Câmara antes do término da Conferência, vale a pena a discussão que poderá modificar o documento que ainda será avaliado pelo Senado Federal.

A pauta da reunião seguiu com os informes sobre as ações da Secretaria Nacional de Juventude em relação à estrutura da Conferência e a escolha do Comitê Executivo, formado por 6 membros da Comissão Organizadora Nacional e que assumirá as ações mais práticas para o funcionamento da Conferência, além das decisões emergenciais. Compõe o Comitê 3 membros da Secretaria Nacional de Juventude e 3 membros do Conjuve.

A reunião terminou com a aprovação da primeira resolução da Comissão que versa sobre o funcionamento das etapas estaduais da Conferência. A resolução indica normas para facilitar os eventos estaduais e a escolha dos representantes nos Estados.

Recomendações – Carlos Odas, um dos organizadores da I Conferência Nacional de Políticas Públicas de Juventude, foi convidado a dar boas vindas aos componentes da Comissão e aproveitou para explicar como funcionou a etapa anterior. “A figura dos mediadores foram imprescindíveis em todo o processo da Conferência de 2008”, alertou Odas.

Outra recomendação veio da ministra da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Maria do Rosário, que também passou pelo encontro. Ela lembrou que os jovens em sistemas carcerários e os jovens com deficiência não devem deixar de participar do processo e propôs uma reunião de trabalho para tratar da questão da grande taxa de homicídios de jovens negros no país.



Mais informações sobre a Conferência podem ser obtidas junto à Comissão Organizadora Nacional, pelo email conferencia.juventude@planalto.gov.br, pelo site www.juventude.gov.br.

fonte: www.ujs.org.br e www.infojovem.org.br

CURSO A DIREITO A DISTANCIA

A UnisulVirtual publicou edital para a oferta de vagas no Curso de Direito a distância, destinado apenas para alunos residentes em Santa Catarina. Com inscrições online abertas até o dia 20 de junho, o bacharelado de cinco anos pode ser cursado tanto pelo público geral quanto por alunos que integram as Forças Armadas e Ministério da Defesa, desde que comprovem moradia no Estado.

De acordo com o coordenador do curso, professor Rodrigo Lunardelli, a decisão de oferecer a graduação exclusivamente para o Estado de Santa Catarina partiu de um consenso entre o MEC e a UnisulVirtual para que os alunos estivessem mais perto da Universidade e pudessem ser melhor atendidos e avaliados.

“Vale destacar, claro, que o diploma é válido em todo o Brasil, já que é Unisul credenciada junto ao MEC para a oferta do ensino a distância. A oferta restringe-se, por enquanto, ao Estado de Santa Catarina e Forças Armadas porque, como tudo que é novo, merece acompanhamento de perto para garantir a qualidade do processo de ensino-aprendizagem”, declarou o professor.

Agora os curso a distancia estão atacando as formações considerado elitizados.

Enquanto se era multiplicado as formações alienadas e não criticas de diversos curso de licenciatura e serviço social a distancia, não havia nenhum posicionamento da elite brasileira. Agora qual será a reação quando a praga chega em nossa colheita.



A Reitora não está ENEM aí!

Nos dias 25 e 26 de Maio de 2011 em reunião do Conselho Universitário (CONSU) da Universidade Federal do Acre foi votado a forma de ingresso à nossa Universidade (que com essa decisão, possa não ser mais) e foi aprovado que o ENEM 100% seria a única forma de ingresso a Instituição. Votação essa que foi Enganosa por parte da mesa, uma vez que a presidente do Conselho, Profª Drª Olinda Batista Assmar, propôs aos conselheiros que fosse votado a forma de ingresso, ENEM ou Vestibular, e se depois da votação o ENEM ganhasse iria se discutir as proporções do ENEM, esse foi o entendimento que a mesa transpareceu aos conselheiros, na primeira votação o Vestibular ganha do ENEM por 3 votos de diferença, sendo 24 Vestibular e 21 ENEM, a Presidente da mesa numa manobra tentou distorcer isso dizendo que apuração foi o contrário, mostrando como a instituição tinha interesses em impor o ENEM “guela” abaixo, atitude essa que pode ser observada em duas situações anteriores, em eventos proporcionados pela Administração superior como o “Debate” sobre as formas de ingressos ao cursos de graduação, onde foi apresentado a Universidade duas pessoas de duas Universidade Federais do Brasil (UFAM e UFC) que aderiram ao ENEM/SISU ( que é o pior de todos) para vender seu produto, quando digo “debate” entre aspas é por não considerar como tal, uma que em um debate temos que ter os pós e os contras, ou seja quem é a favor e quem é contra, sem contar que não foi estendido para a sociedade Acreana, mostrando total exclusão do povo acreano as discussões da forma de ingresso.

Outro evento que ocorreu nesse sentido arbitrário de discussão sobre as forma de ingresso na Universidade foi um fórum com os representantes docentes (professores) de colegiado de cada curso a portas fechadas, sem nenhuma representação dos segmentos Discente (alunos) ou mesmo da sociedade civil (cidadãos). Novamente mostrando a exclusão tanto de segmentos da sociedade Civil (Secundaristas e todo e qualquer cidadão) como dos discentes da Universidade.
E com relação à votação, como disse antes a mesa tentou manobrar para atender seus interesses (A Reitora não está ENEM ai! Pra sociedade Acreana) foi proposto por alguns conselheiros que fosse feito a votação novamente, e desta vez nominal, uma vez que havia pessoas na reunião que não eram conselheiros, novamente a presidente da mesa deixa o entendimento, a escolha do ENEM não elimina o Vestibular, uma vez que o ENEM ganhando, iremos discutir as proporções (isso pode ser comprovado pelo áudio da reunião), iniciada então a votação nome por nome o resultado é 26 para o ENEM e 21 para o Vestibular, logo após a vitória do ENEM, uma das assessoras da presidente, que não é Conselheira (Representante no CONSU) faz a seguinte fala “É agora não se tem mais o que se discutir, não tem mais Vestibular, é ENEM 100%” e após essa fala houve até quem dissesse que seu direito foi “estuprado”, uma vez que a mesa propôs uma coisa e depois uma assessora diz outra. Em Suma, dois dias de discussões e propostas para rediscutir e anular essa votação, mas de nada adiantou as reivindicações dos conselheiros que foram lesados, uma vez que a presidente (Reitora) não mais voltou atrás, uma vez que conseguiu a aprovação do ENEM, só que empurrou “guela” abaixo o 100% e no fim do segundo dia ainda tentou empurrar o SISU, só que os conselheiros ainda meio tontos, porém vacinados contra as atitudes da Reitora não aceitaram (enfim um momento de lucidez).
Somos contra o ENEM 100%, em primeiro lugar por que segundo os parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) as disciplinas são dadas nas escolas acreanas de forma isolada, enquanto no ENEM elas são cobradas em grupos, ou seja, por área de Conhecimento e articuladas e relacionadas entre si. Logo é fato que as escolas acreanas não preparam para o ENEM, a prova é tanta que muitas escolas, senão todas, tem os seus Pré-Vestibulares, Por tanto Magnífica Reitora leve isso em consideração!(A Reitora não está ENEM ai! Pra Sociedade Acreana). E outra coisa, não se engane, o ENEM é concorrência Nacional e nós não iremos concorrer com alunos de Escolas Públicas das grandes regiões não, que supera em muito ensino acreano (em qualidade), uma vez que o ensino acreano são meros números, iremos concorrer com alunos de escolas particulares das grandes Regiões que tem um ensino de qualidade superior ao do nosso estado. E Se antes não tínhamos acesso aos chamados “Cursos Nobres” (Direito, Medicina, Engenharias e etc.) agora é que podemos esquecer mesmo. Por tanto caros alunos secundaristas e sociedade civil não sejamos passivo a essa situação, Vamos lutar pela nossa Universidade e por nossas Vagas, antes que seja tarde demais. Lute e Grite mostrando insatisfação e que você está atento ao que está ocorrendo.
Vale ressaltar ainda que, com adesão do ENEM 100% a história do Acre que já é pouco conhecida por nós mesmos possa cair no esquecimento, e isso não pode acontecer uma vez que como diz um grande autor “Um povo que não conhece a sua própria História, está facilmente sujeito a dominação” então volto a dizer, devemos lutar por nossos direitos, pois a Universidade Federal do Acre é um direito de toda a sociedade Acreana. E lembremos (A Reitora não está ENEM aí! Pra Sociedade Acreana)

ATESTADO DE INCOMPETÊNCIA COMISSÃO ELEITORAL DCE-UFAC

Atestado de incompetência, foi o que a comissão eleitoral do Diretório Central dos Estudantes da UFAC atestou nesta ultima sexta-feira, onde com a data prevista para acontecer a eleição dia 07 de junho não aconteceu, foi adiada para o dia 10 de junho onde a mesma também não aconteceu.

A pergunta que pairá nos corredores da Ufac, de que forma esta novela acabará. Pois ate o momento tivemos diversos ocorridos desde calunias infundadas, ataques pessoais, vice presidente do Sinteac e secretario de juventude da CUT passando nas salas se passando por alunos caçando votos, como a arcaica compra de votos por brindes e showmício.

AGUARDEM O PRÓXIMO CAPITULO

ELEIÇÃO DCE-UFAC ADIADA NOVAMENTE

Nos últimos três anos se iniciou um desmonte e desmobilização acadêmica por parte das gestões da entidade do qual tem e tinha o dever de representar o corpo de estudante da Universidade Federal do Acre - UFAC, entidade esta denominada como Diretório Central dos Estudantes - DCE.

Deveríamos estar vivendo um processo eleitoral do DCE-UFAC de forma participativa, porem devido a ausência de tal representação os estudante estão desiludido com uma nova diretoria. Se não bastasse o processo ter iniciado de forma truculenta com um congresso de estudante com dez estudante, hoje o processo eleitoral por culpa da comissão eleitoral vem a ser adiada pela segunda vez, ou seja, um total descompromisso com a classe acadêmica.

Precisamo nos organizar e conquistar mais espaço, pois exite muitos oportunistas torcendo que tudo de errado.

Com a unidade nasce a novidade.

DCE-UFAC demagogia do apartidarismo

O movimento estudantil na Universidade Federal do Acre, vive um total descaso. Não se permitindo debater e discutir sobre as diferentes ideologias e formas de pensar iniciando uma caça as bruxas a determinados segmentos da universidade. As duas ultimas gestões do Diretório Central dos Estudantes da UFAC iniciou uma perseguição as juventudes partidárias e entidades politicas denominando-as pragas do movimento estudantil negando toda e qualquer construção histórica que já foram construídas ate o momento junto aos estudantes.

O Diretório Central dos Estudantes tem como objetivo representar os estudantes da universidade, e assim independente de credo, cor, orientação sexual e filiação partidária ou não todos tem o direito de participar e contribuir pois somente com a unidade entre os estudante é possível a conquista.

As duas ultimas gestões do DCE-UFAC iniciaram com um discurso de apartidários. repudiando filiação partidária ou ligação com entidades politicas. Porem a mascara da hipocrisia logo caiu onde a gestão 2009/2010 nada contribui com a universidades pois não construiu unidade, e ultima tinha ligação direta com PMDB e PV que através da demagogia tentaram usar tal entidade como trampolim politico e assim mostrou que o discurso falsa nada tem a contribuir.

O discurso demagogo e hipócrita de caças as bruxas nada tem a somar com a unidade acadêmica, muito pelo contrario onde ha necessidade de unidade com proposito de mudança deve ser a prioridade. Devemos ter uma entidade suprapartidária que possa ouvir a todos e assim construir de forma coletiva uma universidade de qualidade, da qual todos sonhamos.

O que foi construído ate o momento foi o contrario, descredibilidade, antipatia, desconfiança por tal entidade.


XI FÓRUM INTERNACIONAL EM SAÚDE:


O Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva – Nível Mestrado da UFAC, em convênio com a FIOCRUZ, juntamente com o Núcleo de Estudos, Eventos, Pesquisas e Extensão em Saúde, do Centro de Ciências da Saúde e do Desporto, em co-promoção e em parceira com a Pró-Reitoria de Extensão e Cultura, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, Secretaria de Saúde do Estado do Acre, Fundação Nacional de Saúde do Acre, Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco, Secretaria Municipal de Cidadania e Assistência Social, o Núcleo de Estudos de Gênero na Amazônia e o Núcleo de Apoio a Inclusão, têm a grata satisfação de promover o XI FÓRUM INTERNACIONAL EM SAÚDE: A INCLUSÃO SOCIAL E SAÚDE NA AMAZÔNIA OCIDENTAL e o III FÓRUM DE SAÚDE COLETIVA DO ESTADO DO ACRE, a realizar-se no período de 21 a 24 de junho de 2011, na Universidade Federal do Acre, oportunidade em que estarão participando Autoridades Nacionais e Internacionais dos Sistemas Sociais e de Saúde, Centros, Institutos de Pesquisas, Grupos de Pesquisas, Sociedades, Ligas, Associações, Conselhos Regionais de Classe, Secretários Estaduais e Municipais de Saúde da Amazônia Ocidental, Secretários de Assistência Social da Amazônia Ocidental, Parlamentares, Pesquisadores, Prestadores de Serviços, Docentes, Técnicos, Alunos de Graduação e de Pós-Graduação, Organizações Governamentais e Não-Governamentais e comunidade em geral de todos os Estados do Norte e países da Amazônia Ocidental (Peru e Bolívia), envolvidos com esta temática, além de abrir espaço para divulgação de trabalhos científicos, relatos de experiências na forma de Painéis e montagem de Stand’s de patrocinadores, os quais em muito contribuirão na ampliação dos conhecimentos e da programação.