sábado, 19 de novembro de 2011

MEC vai proibir vestibular na área de saúde para faculdades com ensino insatisfatório; No Acre, 75% das instituições foram reprovadas

O Ministério da Educação anunciou nesta quinta-feira, 17, que vai ampliar  medidas de supervisão em instituições e cursos de educação superior na área de saúde que tiveram desempenho insatisfatório nos indicadores divulgados ontem pelo órgão e que aferem a qualidade no ensino. No Acre, apenas duas instituições foram avaliadas positivamente, a Universidade Federal do Acre (Ufac) e Faculdade AIEC, em Acrelândia.
Todas as faculdades privadas de educação presencial avaliadas foram reprovadas no índice  do MEC, isso representa 75% do total.
É a primeira vez que as medidas atingem todos os cursos de uma área. A Uninorte, que chegou a liderar a lista do MEC de pior ensino superior no Acre por três anos seguidos, é a instituição privada que possui o maior número de cursos na área da saúde no Estado, ofertando cursos de enfermagem, nutrição, psicologia e fisioterapia.
A ação, que prevê a suspensão de vagas de ingresso em todos os cursos da área da saúde que obtiveram Conceito Preliminar de Curso (CPC) inferior a três, deverá ser publicada no Diário Oficial da União na próxima semana. Os primeiros atos publicados serão dos cursos de medicina.
A instituição de ensino superior que tenha obtido, no percurso de três avaliações, duas vezes o IGC insatisfatório (um a dois pontos), desde que o último índice seja insatisfatório, responderá a um processo administrativo de supervisão instaurado pelo MEC. Ao mesmo tempo, o Ministério publica medida cautelar (preventiva) que suspende a autonomia da instituição de forma imediata. Se for universidade ou centro universitário, é suspensa a autonomia, que compreende o congelamento do número de vagas (tendo por base o ano anterior) e a abertura de novos cursos. Além disso, a instituição assina termo de saneamento das deficiências, com prazo de duração de um ano. O mesmo rito vale para a faculdade, exceto na questão da autonomia, que ela já não tem.
Após o período de saneamento das deficiências, é verificado se a instituição cumpriu o que foi pactuado no termo de saneamento. Nos casos do cumprimento dos requisitos de qualidade, o processo é encerrado. Se não alcançou a meta estipulada, o MEC instaura um processo administrativo para descredenciamento da instituição ou encerramento do curso. Neste caso, os estudantes matriculados têm garantia de conclusão do curso, podendo também solicitar transferência para outra instituição e completar a graduação.

fonte Ac24horas

Por não atingirem nota mínima, cursos da Ufac e Uninorte poderão ter vagas suspensas pelo MEC

O Ministério da Educação e Cultura (MEC) poderá proibir acesso às vagas do cursos de Educação Física da Universidade Federal do Acre (Ufac), Fisioterapia e Serviço Social da Uninorte pelo fato de não terem atingido a nota mínima de três pontos no Conceito Preliminar de Curso (CPC), divulgados pelo Ministério nesta quinta-feira (17).
“A suspensão de vagas de ingresso em todos os cursos da área da saúde que obtiveram Conceito Preliminar de Curso (CPC) inferior a três, deverá ser publicada no Diário Oficial da União na próxima semana. Os primeiros atos publicados serão dos cursos de medicina”, diz informe do MEC.
Já os cursos de Medicina e Enfermagem da Ufac e Serviço Social da Faculdade da Amazônia Ocidental (FAAO) não correm o risco de qualquer intervenção do MEC, pois, atingiram a nota mínima no Conceito Preliminar de Curso.
De acordo com o coordenador do curso de Medicina da Ufac, Thor Dantas, a nota do CPC refletiria a estrutura da curso, algo na qual a Universidade Federal do Acre poderia melhorar, mas, quanto ao desempenho dos acadêmicos, avaliado pelo Enade, Dantas faz questão de ressaltar “como de excelência”, os alunos da medicina acriana obtiveram nota quatro, em uma faixa que vai de um a cinco.
O curso acriano com a melhor estrutura (nota 2,71) e acadêmicos mais bem avaliados (nota 3,13) é o de Enfermagem da Ufac. A pior estrutura também pertence à única universidade do Estado, Educação Física (nota 1,66). Já os acadêmicos com a pior nota no Enade foram os de Fisioterapia da Uninorte (nota 1,15).
 Nota da instituição pode salvar cursos
Os cursos de Educação Física da Ufac e Serviço Social do Iesacre/Uninorte podem não sofrer proibição em razão da nota geral da instituição. Em quatro anos, a Ufac nunca teve nota insatisfatória e o Iesacre/Uninorte teve nota satisfatória por três anos seguidos. Já que o MEC vai adotar vários critérios para proibir os cursos, é possível que esses dois escapem da intervenção.
 

Ensino superior no Acre piora após quatro anos seguidos de avaliações do MEC; Deputado Moíses Diniz propõe Audiência Pública para discutir a questão

Ao divulgar a ponderação da qualidade no ensino superior público e privado do País no ano de 2010, o ministro da educação, Fernando Haddad, avaliou que no “cômputo geral” o ensino brasileiro estaria melhorando. Mas, no Acre, os números divulgados pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), nesta quinta-feira (17), apontam que ensino piorou após quatro anos seguidos de avaliações.
A Universidade Federal do Acre (Ufac) que durante 2007 (nota 2,60) e 2008 (nota 2,70) foi à melhor instituição de ensino superior do Estado, perdeu a posição nos últimos dois anos para uma entidade de aprendizagem via internet com registro em Acrelândia e sede em Brasília, a Faculdade AIEC, com nota 3,12, é a única no Acre localizada na faixa quatro de bom ensino do Índice Geral de Cursos (IGC) que vai de um a cinco.
Durante todos os anos de avaliações, a Ufac (nota 2,64 em 2010) não conseguiu evoluir e melhorar a nota que a mantêm na faixa três, como ensino satisfatório.
O Instituto de Ensino Superior do Acre (Iesacre/Uninorte) contribuiu para o pior retrocesso, a instituição, que por dois anos seguidos (2007 e 2008) foi à melhor no ensino privado, inclusive, ombreando com a Ufac na faixa três de satisfatório, despencou, em 2010, para nota 1,54 e agora tem ensino dois de insatisfatório, tal qual as outras duas que integram a Uninorte (Faculdade do Acre e Faculdade Barão do Rio Branco).
Também com ensino insatisfatório, a Faculdade da Amazônia Ocidental (FAAO), a Faculdade Diocesana São José (FADISI) e a Faculdade de Desenvolvimento Sustentável de Cruzeiro do Sul (IEVAL) também não conseguiram, em quatro anos, evoluir na qualidade ofertada e contribuem para que não exista uma única instituição de ensino superior privado e presencial com qualidade mínima em todo do Estado do Acre.
O deputado estadual Moíses Diniz (PCdoB), líder do governo do estado na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), afirma que o poder estadual tem apoiado o fortalecimento da Ufac e acredita que a nota da única instituição pública de ensino superior do Estado deveria ser melhor do que a apresentada.
Diniz afirmou à reportagem que convocaria uma Audiência Pública na Comissão de Educação da Aleac para que, conjuntamente, parlamentares, professores, estudantes e representantes das faculdades privadas e da Ufac debatam saídas que visem à melhoria no ensino superior público e privado no Estado.
O Ministério da Educação avaliou 2.176 instituições de ensino superior, sendo 229 públicas e 1.947 privadas, entre universidades, centros universitários e faculdades.

Fonte> ac24horas

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Comissão da Câmara aprova volta de fuso horário antigo no Acre,

Só falta a Presidenta Dilma assinar.

Aprovado fuso horário do AC com duas horas a menos em relação a Brasília; Agora só depende da presidente Dilma
9 de novembro de 2011 - 11:15:25
A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou nesta quarta-feira, em caráter conclusivo, o Projeto de Lei 1669/11, do Senado, que retoma o antigo fuso horário do Acre e de parte dos... estados do Pará e Amazonas, com duas horas de defasagem em relação ao horário de Brasília. Atualmente, a diferença é de apenas uma hora, fruto de alteração realizada em 2008 (Lei 11.662/08). A proposta segue para sanção presidencial.

A proposta do Senado restabelece o padrão que vigorou entre 1913 e 2008. O objetivo da lei de 2008 era contribuir para a integração econômica, política e cultural desses estados com o restante do País. No entanto, a população acreana não se adaptou ao novo horário.

Mudança no fuso horário acriano depende da presidente Dilma pra vigorar

A mudança que retoma o antigo fuso horário do Acre e de parte dos estados do Pará e Amazonas, com duas horas de defasagem em relação ao horário de Brasília, aprovado hoje pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados depende da assinatura da presidente Dilma Rousseff para entrar em vigor.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Vamos paralizar o Acre contra a corrupção.


Vamos as ruas mostrar nossa insatisfação! O povo tem como dever fiscalizar e denunciar imprudências cometidas por aqueles que escolhemos para que lutasse por nossos direitos e zelar pelo bem estar social.

Com o passar dos tempos e com o fim do inimigo em comum -Ditadura Militar, nos acomodamos, nos alienamos e não fazemos nada contra isso. "Se estar indo, deixa estar!". Mas, não acordamos, não abrimos os olhos pra ver que nada é como parece estar! O inimigo agora é outro, ou melhor, outros! A corrupção está em todas as escalas da sociedade, nua, explicita!

O Cidadão parece ter a memoria fraca, comete o mesmo erro a cada dois anos! O poder do voto foi adquirido a árduas batalhas e hoje é trocado por tijolos, bicicleta ou até R$20,00... Mal sabe esse cidadão que está desprezando sangue, suor e muita, muita dor!

Falar de pátria, revoluções e criticar é muito facil sem sair da sua cadeira ou do conforto do seu lar. Não queremos apenas atitudes virtuais, queremos pratica, consciencia civil e humana. Isso não significa ficar indignado ouvindo Cazuza, Chico Buarque, Elis Regina... Gritar "Porra do Brasil" no show do Capital Inicial, e no dia das eleições votar naquele que coage funcionários públicos para garantir votos, que vc não sabe se quer a origem, as propostas ou até mesmo pq tem o nome engraçado parecido com algo de guarda-roupas. Vamos lá, vamos levantar, vamos gritar! Queremos mudança e queremos agora! Estamos vivos, estamos vendo!


Lembre-se derramaram sangue pela sua liberdade, pessoas foram torturadas pelo seu direito a educação, centenas tiveram que morrer pelo seu direito a saúde. Não despreze isso, não abandone os ideais daqueles que fizeram tanto por nós! A Pátria é tudo que temos, é o que somos! Brasileiros, e acima de tudo ACREANOS!
Marcharemos com os principais ideais:
1-Voto Aberto no Congresso
2 - Ficha Limpa
3 - Corrupção como Crime Hediondo (PLS 204/2011 - leia para entender)
4- 10% do PIB pra educação
5- Voto Distrital Misto e PL Políticos sem Sigilos
6 - Valer a democracia com a volta do horário antigo do estado (O povo decidiu, o povo deve ter).
ESTE MOVIMENTO É TOTALMENTE SUPRAPARTIDÁRIO!
A MAIOR ARMA CONTRA A CORRUPÇÃO É A INFORMAÇÃO!

Leve cartazes, demostrações artísticas, batucadas, grite sua ideologia!

 

Local: Concentração em frente ao Sebrae - Centro
Rua Rio Grande do Sul, 109, Centro
Data: Terça, 15 de novembro ·
Horas: 16:00

VII Parada do Orgulho LGBT do Acre “Pela Vida: Diga não a Discriminação, a Violência e as Drogas”.

Dia 20 de Novembro de 2011 (domingo) Concentração as 14h00, no Calçadão da Gameleira, seguindo Av. Chico Mendes, sentido Estacionamento do Arena da Floresta. Quem não quer amor? Quem não quer ser amado? Quem não quer ter o direito à vida? Quem não quer ter o direito de viver num mundo onde não haja discriminação, violência e sem drogas? Nesta VII Edição da Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) do Acre, que acontecerá no dia 20 de novembro de 2011, onde se comemora o Dia Nacional da Consciência Negra no Brasil, a VII Parada amplia sua plataforma política, buscando garantir com a população do Acre a pluralidade e promoção de Direitos Humanos para Negros, Homossexuais, Crianças, Idosos, Jovens, Mulheres, Deficientes, religiosos e outros milhares, que são vitimas do preconceito e da discriminação. 

 Nenhuma mãe ou pai deseja seu filho ou sua filha aliciado ao submundo do crime, das drogas, do vicio. Os sonhos que nossos amigos e parentes desejam e que sejamos livres, plenos e que possamos ter os mesmos direitos para termos família, sendo elas de dois pais, duas mães, avô e avó, trabalho, saúde, sucesso, felicidade e amor. 

Os homossexuais como os negros sofrem na pele a violência pela discriminação e intolerância. Não há arma mais mortal do que a indiferença, e ser discriminado pelo que você é. A vida além de ser vivida deverá ser promovida, diante disso a Associação de Homossexuais do Acre, deseja com que os acreanos, e acreanas, nesta VII Parada do Orgulho LGBT do Acre, possam refletir de que maneira podemos os LGBT´s contribuir para que tenhamos uma sociedade fraterna, respeitosa, sem discriminação, sem violência qual seja ela. Por um mundo e Acre sem Drogas, por um Estado onde possamos todos ser irmãos na diversidade convivendo com as diferenças. A mola do mundo e a pluralidade da diversidade. 

O eixo da vida e sermos combativos para conquistarmos o mesmo lugar ao sol. O sol este astro maior do universo, ilumina pobres, ricos, negros, homossexuais, deficientes, heteros, religiosos, todos os seres humanos sem fazer nenhuma distinção de raça, cor, sexo, idade, nacionalidade ou orientação sexual. Vamos juntos colorir nossa VII Parada do Orgulho LGBT do Acre! Associação de Homossexuais do Acre

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Posição da UNEGRO sobre a demissão de Orlando Silva

A UNEGRO lamenta a saída de Orlando Silva do Ministério do Esporte e solidariza-se com todos os seus familiares e amigos neste momento difícil da luta política no Brasil. Nossa confiança em Orlando, um dos fundadores da Entidade, permanece inabalada porque ele é um digno representante da população negra brasileira, vitimado pelo conservadorismo e pelo racismo abertamente declarado por Arnaldo Jabor quando destilou seu ódio ao ministro dizendo: “finalmente Orlando Silva caiu do galho...”, ou seja, insinuando que o ministro é macaco.

A trama estabelecida pela elite conservadora teve exclusiva finalidade de macular a honra do principal dirigente do Ministério do Esporte, derrubá-lo e instabilizar o governo da presidente Dilma Rousseff. Consideramos um grave erro da Presidenta Dilma aceitar a demissão de um Ministro de Estado com base em uma falsa denúncia de um homem processado e preso por recurso do Ministério do Esporte - sem nenhuma prova ou indício de veracidade. Consideramos perigosa a lógica de demitir todos os ministros que a grande mídia conservadora indicar, visto que o verdadeiro alvo é a Presidenta e o objetivo é de não deixá-la governar.

A violenta campanha de difamação, calúnias e ataques, a Orlando Silva Junior atingiu o objetivo imediato de derrubar um ministro jovem, talentoso, exemplo para juventude negra e gerações de atletas, gestores, administradores, mas não conseguiu e nem conseguirá apagar o brilho e macular a contribuição que Orlando Silva deu ao país.

Orlando ajudou a consolidar e dar importância institucional e política ao Ministério do Esporte, foi figura destacada para que o Brasil tivesse a oportunidade de sediar a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, eventos que favorecerão o dinamismo da economia nacional gerarão mais empregos e renda para o povo brasileiro. Conduziu republicanamente a gestão do Ministério, respeitou todas as forças políticas e os movimentos sociais e deixa como marca o desenvolvimento do esporte como atividade e direito fundamental da cidadania.

A injusta demissão de Orlando aumenta a invisibilidade do negro no governo Dilma, dos 37 ministérios a única negra é Luiza Bairros, ministra da Secretaria de Política de Promoção da Igualdade Racial. Estamos diante de um retrocesso perigoso e assistindo a reprise dos mesmos enredos de defenestração de ministros negros. Impõem-se, mais uma vez, a lógica de que o negro não tem competência e não é confiável. Portanto, não pode ocupar cargos importantes no governo. Primeiro foi Benedita da Silva, depois Matilde Ribeiro e agora é Orlando Silva.

A UNEGRO compreende que esse episódio fragiliza o governo e a democracia brasileira, se posiciona em defesa de Orlando Silva e o considera o ministro mais bem sucedido do governo Lula e do governo Dilma. Mantém seu apoio ao governo Dilma e manifesta sua preocupação com a ausência de negros no ministério e em outros espaços importantes do Executivo.

Não nos afastaremos um instante da construção de uma sociedade livre do racismo e das desigualdades.

Viva Orlando Silva!!!

União de Negros Pela Igualdade - UNEGRO