segunda-feira, 7 de abril de 2014

SBT AFASTA SHEHERAZADE DA PROGRAMAÇÃO

Fonte:http://www.brasil247.com/www.brasil247.com
Investigada pela Procuradoria-Geral da República, de Rodrigo Janot, após denúncia de apologia ao crime feita pela líder do PCdoB na Câmara, Jandira Feghali (RJ), apresentadora Rachel Sheherazade sai do ar; emissora de Silvio Santos alega novas “férias”, dois meses após ela ter tirado folga para viagem a Paris; em fevereiro, ela gerou polêmica nas redes sociais e entre outros jornalistas por defender a ação de um grupo de “justiceiros” que acorrentaram um suposto infrator a um poste no Rio.
Sem fazer alardes, o SBT afastou a polêmica apresentadora Rachel Sheherazade da grande de programação. Oficialmente, a emissora de Silvio Santos alega que jornalista está em férias, mas segundo o colunista Ricardo Feltrin, ela já havia tirado folga em janeiro, em viagem a Paris.
Sheherazade despertou a ira de internautas e de outros jornalistas por apologia ao crime no ar. Em fevereiro, ela defendeu a ação de um grupo de “justiceiros” que acorrentaram um suposto infrator a um poste.
O SBT está sob investigação pela Procuradoria Geral da República. O procurador Rodrigo Janot diz ver com “muita preocupação” denúncia contra Sheherazade. Segundo ele, é necessário deixar claro que incitação à violência é crime e, como tal, não se insere na liberdade de imprensa.
O procurador-geral encaminhou para São Paulo a denúncia apresentada pela líder do PCdoB na Câmara, Jandira Feghali (RJ) contra o SBT e Sheherazade. A deputada pede abertura de inquérito contra a jornalista e suspensão de verba pública à TV enquanto durar a ação. Em São Paulo, a procuradora da República Ryanna Veras declinou da competência para apreciar o pedido e o despachou para o Ministério Público Estadual.

UNB MANTÉM, COM ALTERAÇÔES, SISTEMA DE COTAS RACIAIS

Há dez anos, a estudante Natália Maria Machado ingressava na Universidade de Brasília (UnB), no curso de ciências sociais. Ela foi uma das primeiras a entrar na universidade pelas cotas raciais. O primeiro vestibular com reserva de 20% das vagas para estudantes negros foi realizado em junho de 2004. Mais de 4 mil estudantes se inscreveram na seleção para concorrer pelo sistema de cotas e, das 392 vagas destinadas aos candidatos negros, 378 foram ocupadas. Atualmente, dos 35.785 alunos da universidade, 3.401 ingressaram pela política de cotas raciais.
Essa semana, Natália acompanhou a votação que decidiu pela manutenção do sistema. A porcentagem foi reduzida, passou para uma reserva de 5% das vagas. “A sociedade brasileira é extremamente racista e se recusa a fazer esse debate com a profundidade que ele requer. Nesses assuntos todos a gente caminha com muita meticulosidade, carrega uma apreensão e uma dor muito grande. Não posso dizer que esse cenário foi o ideal, foi o mínimo do mínimo, nenhum retrocesso a gente aceitaria, além dos que já estão postos”.
A avaliação da política de cotas estava prevista no Plano de Metas para Integração Social, Étnica e Racial, aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extenção (Cepe) em 2003. A Lei de Cotas (Lei 12.711/12) influenciou as discussões. Pela lei, até 2016, 50% das vagas das universidades federais e das instituições federais de ensino técnico de nível médio devem ser reservadas a estudantes de escolas públicas.
As cotas deverão ser implementadas gradualmente. Em 2014, a reserva deverá ser de obrigatoriamente 25%. Dentro da lei, há a reserva de vagas para pretos, pardos e indígenas, de acordo com a porcentagem dessas populações nas unidades federativas. No Distrito Federal, a reserva chegará a 28% do total das vagas. Este ano, serão 14% para estudantes pretos, pardos e indígenas de escolas públicas.
Durante um ano, uma comissão reuniu-se para elaborar um relatório sobre a política de cotas raciais. Chegou-se ao percentual de 5% como complementação à lei federal, para incluir os estudantes negros que não se encaixavam nos critérios estabelecidos. “É um complemento às exclusões e aos retrocessos causados na UnB pela lei do governo”, explica o professor de antropologia José Jorge de Machado, um dos membros da comissão que propôs a continuidade das cotas raciais.
De acordo com a comissão de avaliação, a política de inclusão adotada pela universidade garantiu oacesso de mais de 6 mil estudantes negros ao ensino superior público, sendo que 18% já estão formados.
Na quinta-feira (3), estudantes lotaram o auditório onde acontecia a votação pedindo que fossem mantidos os 20%. “O resultado foi o que prevíamos. Porque 20% significaria chegar a 70% de cotas e apenas 30% para universal. Sabíamos que dificilmente o conselho aprovaria um número tão alto. Passaremos a ter agora 55% de cotas [em 2016]“, acrescenta Machado.
A porcentagem de 5% valerá no próximo vestibular, cujo edital deverá ser divulgado nesta semana. O Cepe vai se reunir posteriormente para votar a duração dessa decisão. Outra novidade é que as cotas raciais passarão a valer também para o Programa de Avaliação Seriada (PAS), o que não era feito até então. Dessa forma, valerá para todas as formas de ingresso: PAS, vestibular e Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que classifica os alunos pela nota no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).
Nas redes sociais, as opiniões divergem: “Cotas raciais da UnB passam de 20% para 5%. Enquanto isso o número de estudantes negros no ensino superior hoje é o mesmo do de estudantes brancos em 1992″, comenta um usuário do microblog Twitter. Outro diz: “A UnB estima que 55% das suas vagas serão ocupadas pelos beneficiados pelas diversas cotas no ano de 2016. A minoria vai ser maioria…”
Outro ponto que entrou em pauta foram as vagas reservadas aos indígenas. A Cepe optou pela manutenção das 10 vagas por semestre para esse grupo. “Decidimos manter a forma como ela está. Temos um vestibular especial para indígenas. Não haverá nenhuma alteração, a UnB vai continuar fazendo esse vestibular”, explica o reitor da UnB, Ivan Camargo. Ele diz também que o número de vagas será discutido, pois existe a proposta de ampliar para 20 vagas essa reserva.
Outra questão que deverá ser discutida são as cotas raciais para a pós-graduação, já aplicadas em alguns institutos. Segundo o reitor, o assunto ainda precisa ser avaliado.


sábado, 5 de abril de 2014

TOD@S CONVIDADOS PARA 24º CONGRESSO DA ANPG

Entre os dias 1 e 4 de maio de 2014 será realizado, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o 24º Congresso Nacional de Pós-Graduandos (CNPG), organizado pela Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG).
A ANPG representa os pós-graduandos de todo o país e está presente em importantes espaços como o Conselho Diretor do CNPq, o Conselho Superior e o Conselho Técnico-Científico da CAPES, o Conselho Nacional de Saúde, o Conselho Nacional de Juventude e a Organização Caribenha e Latino Americana de Estudantes (OCLAE).Fundada em 1986, desde então vem defendendo a ciência e as bandeiras do Movimento Nacional de Pós-Graduandos (MNPG).
A ANPG enfrenta importantes batalhas no presente momento. Encampamos as bandeiras estratégicas para a educação brasileira como “10% do PIB para a Educação” e a defesa dos royalties e de parte das verbas do fundo social do Pré-Sal para a Educação Ciência e Tecnologia, além das campanhas por mais e melhores bolsas de pós-graduação e por mais direitos para os pós-graduandos.
O congresso
Ao eleger o tema “Valorização da Ciência e dos Pesquisadores” a ANPG tem como alicerce a compreensão de que a Ciência deve ser vista como um dos eixos estruturantes do desenvolvimento nacional. Espera-se que a Ciência produzida seja capaz de cada vez mais favorecer e integrar os esforços de produção de conhecimentos capazes de propor soluções para grandes questões da sociedade, na forma de tecnologias, inovações, etc.
Discutir a importância da pesquisa no país, seu fomento e lugar do pós-graduando na pesquisa cientifica, assim como seus direitos é o desafio que pretendemos enfrentar nesse 24° Congresso.
Estão previstos debates sobre ciência e tecnologia, pós-graduação, educação e grupos de discussão sobre pautas importantes para os pós-graduandos como a campanha pela valorização das bolsas de pesquisa. Atividades culturais também compõem a programação.
No último dia do congresso será eleita a nova diretoria da ANPG e aprovadas as resoluções que orientarão as ações da próxima gestão da entidade.
Eleição de delegados
Todos os pós-graduandos podem participar. Aqueles que desejam participar na condição de delegados (com direito a voz e voto) devem realizar o processo eleitoral em suas universidades, de acordo com o Regimento. Veja o passo a passo completo aqui.
Mostra Científica
O prazo para submissão de trabalhos está aberto até 5 de abril. Veja aqui o edital. Estudantes de graduação também podem inscrever trabalhos.
Dúvidas podem ser solucionadas através do e-mail mostrasanpg@gmail.com
Mais informações. www.anpg.or.br

CHEGOU A NOVA IDENTIDADE ESTUDANTIL


Por falta de uma lei que regulamentasse a confecção do documento estudantil da meia entrada em diversos Estados tal direito estava nas mão de quem não era estudante e se não bastasse estava financiando empresas que não tinham compromisso com os estudantes e tão pouco com as entidades estudantis.
Por meio de muitas luta e resistência no ano de 2013 foi sancionada a  lei da meia entrada tendo o nome de Carteira de Estudante para Documento do Estudante e assim passando a ser a Carteira Nacional de Identificação Estudantil sendo regulamentada.

Para ter acesso a sua basta:  Solicitar

Mais informações acesse o Site da UNE

sexta-feira, 4 de abril de 2014

RETORNANDO A MAIS UM CAMPO DE BATALHA


Nosso presente não se torna tão diferente e distante do passado quando o tema abordado e os campos de batalhas sociais. São de fato diversos os espaços de batalha ideológica: as salas de aulas, a praça publicas, as ruas e postos de trabalho entre outros. Porem, neste momento me coloco a retornar a um campo tão importante quanto o presencial, as redes sociais e seguindo este espaço que antes tinha um cunho bastante elitista e com informações limitadas e tendenciosas, hoje articulamos mais uma trincheira para combater o monopólio e assim democratizar a mídia e a livre expressão.
Este blog giovanny Kley, tem como objetivo esta levando uma pluralidade de informações onde não terá apenas postagem escritas por mim e sim uma pluralidade de matérias de outros sites, informações que acredito ser importantes como também sobre as diversas áreas de luta e resistência por uma nação mais justa, igualitária e socialista.
#VamosQvamos ocupar os espaços e declarar guerra a que nos finge amar, que 2014 venha com muitas vitorias

Saudações AfroSocialistas.